Embora seja o país mais montanhoso da Europa, atrás apenas da Áustria, a Espanha não tem muitas subidas míticas para o ciclismo.

A introdução para a estação de esqui do Angliru em 1979 veio corrigir essa aberração.

O Alto do Angliru já era famoso antes mesmo da sua primeira aparição na Vuelta, quando Pedro Delgado retornou de uma viagem de reconhecimento: “Não há nada como isso. Alguns ciclistas vão descer e empurrar aqui”, referindo-se aos trechos com 23% de inclinação.

Roberto Heras, vencedor na etapa em 2002 declarou: “Você vai a 9 quilômetros por hora. Não há nada parecido com isso”.

Esse ano entre os favoritos existem vários com chances de ganhar no Angliru, mas sem dúvida, o mais cotado é Alberto Contador, cujo poder de aceleração na montanha é comparado ao de Jose Maria Jimenez. Robert Gesink sem dúvida é outro que tentará mostrar suas habilidades como escalador no gigante de 12,6Km de extensão e inclinação média de 10%.

E não são apenas os ciclistas que sofrem. A organização da prova precisa estudar muito bem a logística, mandando todo o material necessário ao topo um dia antes, evitando que eventuais quebras dos veículos tirem o brilho da escalada.

Da parte dos corredores, o ex-ciclista britânico Graham Jones afirmou: essa escalada seria impossível a 20 anos atrás: usávamos relações muito longas, e só com a tecnologia isso tornou-se realidade.

Obrigado Shimano, Campagnolo e S-RAM.

Detalhes do perfil do Angliru: AQUI ou AQUI.

A etapa do Angliru acontece amanhã, sábado. Transmissão ao vivo pela TVE (cabo e satélite) a partir das 11 horas da manhã ou via Internet nos links já informados.