Qual o futuro da Astana?

A equipe anunciou a contratação do escalador espanhol David De La Fuente e do italiano Paolo Tiralongo como suporte para Alberto Contador na defesa do título do Tour de France. Eu fico me perguntando é por quê alguém iria de livre e espontânea vontade para a equipe agora que Johan Bruyneel e a maioria dos bons corredores já não fazem mais parte do time.

Mesmo antes da saída de Bruyneel, a equipe já parecia ser complicada: problemas de falta de dinheiro no início e no final da temporada, além de dificuldades em manter o status ProTour para 2010. Qualquer ciclista que assinar com os cazacos está arriscando trabalhar de graça e, também, ser incapaz de disputar as principais provas do calendário.

Some-se a isso o temporal chamado Alexander Vinokourov. Depois de uma fraude e uma mentira deslavada (faltou ele culpar a alimentação típica de seu país – vide foto) ele volta livre, como é o seu direito. Mas sua imagem ficou maculada para sempre.

Agora acrescentem o nome do novo diretor esportivo: Giuseppe Martinelli, que foi diretor de um dos maiores ícones (e também mais problemáticos) do ciclismo: Marco Pantani. Martinelli é um veterano, tem experiência, mas seu nome não vai ajudar a olhar para a equipe e considerá-la como sinônimo de limpeza (pensarei sempre em falcatruagem). Também no grupo teremos como treinador Yvon Sanquer, ex-Festina (esse nome dispensa maiores comentários).

A questão é: sem a licença, o desaparecimento da equipe seria acelerado? Isso seria bom ou ruim para a modalidade?

A equipe possui a licença por mais dois anos: a UCI está avaliando se não vai revogá-la devido a falta de garantias e problemas no atraso dos salários.

No Cazaquistão eles tomam leite de égua

No Cazaquistão leite de égua é uma iguaria

13 respostas para Qual o futuro da Astana?

  1. Thomas disse:

    Não vejo dessa forma. A Astana está voltando a ser o que sempre foi, antes de fazer a burrada de contratar o Armstrong e sua trupe.

    Além disso, se hj em dia o ciclismo kasaque é forte, é graças ao Vino, Astana e cia ltda.

    Pessoalmente não torço pro Vino, mas na minha opinião, foi pego, pagou sua suspensão e bola pra frente, não tem mto essa de macular a imagem.

    abraço!!!

    • Zaka disse:

      Sei lá… eu concordo que um ex-dopado volte, mas nunca mais vou ver o cara com os mesmos olhos. Sempre fico pensando se os resultados que ele obteve não foram fruto exclusivamente do doping. E também fico desconfiado quando ele ganha alguma coisa.

      A Astana pré-Bruyneel na minha opinião nada mais era do que uma Liberty Seguros de outro país. Foi criada para dar emprego ao monte de gente que estava envolvida até a última veia na OP. O Bruyneel conseguiu limpar um pouco essa imagem, mas sem ele….

      (não estou dizendo que ele é santinho, talvez ele tenha é a fórmula da juventude, só isso).

  2. waldeir disse:

    Time Forte… graças ao vino…quero ver ano que vem provavelmente não vão correr nen o tour

  3. FAB1000 disse:

    Acho que o problema da grana faltando foi apenas uma maneira de mostrar quem é que manda de verdade e para que eles (Bruyneel e sua trupe) entendessem que se não aceitassem o Vinokourov de volta, o “donos” detonariam tudo no meio da temporada, não se importando com os estragos alcançados. Estilo homem-bomba mesmo.

    Agora … eu acho que grana não vai faltar, mas com relação a credibilidade da equipe isso eu concordo que realmente vai cair.

  4. Se o JB é tão competente por que foi parar na Astana?

    Não conheço tão bem a historia das equipes..
    Mas pelo que tenho visto não existem muitas outras melhores no Pelotão ein?

  5. Zaka disse:

    Bruno,
    A equipe onde o JB trabalhava “fechou” (era a Discovery).
    A mais vencedora no ano é a Columbia. Não dá pra esquecer a Lotto e suas clássicas, a Rabobank que levou o Giro, a Caisse que levou a Vuelta…
    Acho até que a Astana deve ter levado o título da temporada, mas a UCI usa um critério que a meu ver distribui MUITOS pontos para o Tour e releva a um terceiro (nem é segundo) todas as outras provas.
    A Astana DESSE ano sim, era das melhores. Vamos ver depois da debandada…
    Abraço

  6. waldeir disse:

    Astana ja era contador vino. vão correr com frango na volta do mexico ou do jeito que anda as coisas aqui no brasil o tour de santa catarina. ja pensou no congresso de abertura do tur aqui no brasil o vino falando pro pessoal o jeito certo de se Dopar…. rssssss

  7. […] Qual o futuro da Astana? « Maglia Rosa magliarosa.wordpress.com/2009/10/22/qual-o-futuro-da-astana – view page – cached A equipe anunciou a contratação do escalador espanhol David De La Fuente e do italiano Paolo Tiralongo como suporte para Alberto Contador na defesa do título do Tour de France. Eu fico me… (Read more)A equipe anunciou a contratação do escalador espanhol David De La Fuente e do italiano Paolo Tiralongo como suporte para Alberto Contador na defesa do título do Tour de France. Eu fico me perguntando é por quê alguém iria de livre e espontânea vontade para a equipe agora que Johan Bruyneel e a maioria dos bons corredores já não fazem mais parte do time. (Read less) — From the page […]

  8. Luís Francisco disse:

    Um abraço galera do pedal,oq vai ser da Astana ninguém sabe, oq eu espero é mais um show de AC no Tour de 2010 rumo a tri!!!
    Valeu DEUS abençoe a todos!

  9. Mateus Manzini disse:

    Se fosse só por dopping, toda equipe deveria ter seu nome sujo, não? Penso que pelo menos um atleta em cada uma das equipes que vão ao tour já teve o nome ligado a escândalos. Ou eu estaria supondo erroneamente? Espero que sim.

  10. FAB1000 disse:

    Zaka,
    acho que a falta de grana aconteceu no momento em que o Vino disse que ia voltar na Astana e recebeu do chefão belga a negativa pública. Provavelmente o Bruyneel deve ter dito internamente que se ele fosse incorporado a Astana largava o barco e levava todo mundo junto saía.
    Aí os caras devem ter apertado com esse lance da grana pra mostrar poder. Não sei se procede, mas foi a minha interpretação para o fato.

    Pelo que eu acompanhei, problema de grana só aconteceu nesse período conturbado do pré-Tour.
    Abraço,
    Fabricio.

  11. Zaka disse:

    Se não me engano, o rolo começou no Giro, não foi? O Vino só anunciou sua volta mais de um mês depois, em Mônaco.