Manzano, um mentiroso

Jesús Manzano, 26 de novembro de 2009

Manzano era um mentiroso?

Jesús Manzano era um mentiroso em 2004, recordam? Refrescarei a memória dos esquecidinhos sobre o que contei ao AS: “Em junho de 2003, Walter Virú tirou-me um litro de sangue enriquecido com EPO em Valencia e dividiu em duas bolsas. Uma delas injetei nas vésperar do Tour. Antes de uma etapa de montanha me medicou com Oxiglobin, uma hemoglobina para cachorros. Ia escapado com Virenque e comecei a me sentir muito mal. Me retirei e me levaram ao hospital: ali, o defundo Joan Mas me disse ‘não conte nada, na França nos metem na cadeia’. À noite, no hotel, estava inchado como uma bola. Quando voltei à Espanha, Virú me telefonou e me disse: ‘Vicente Belda quer que coloque a outra bolsa’. Não tinha colocado nem a metade quando senti calafrios. Me deram Urbason e me colocaram no trem de volta a Madrid, mas achei que ia morrer.

Ontem, vários periódicos que haviam me atacado, ignorado ou me chamado de mentiroso escreviam coisas como “Manzano já falou de Virú em 2004”. Algum me telefona agora e atendo por educação. Ao final, parece que Jesús Manzano já não é tão mentiroso.

Os comentários estão desativados.