A abertura da temporada

Sim, existem outras provas antes da Het Nieuwsblad Omloop (antiga Het Volk), mas nenhuma delas tem as dificuldades dessa, digamos, semi-clássica. Alguns jornalistas mais radicais chegam a dizer que é a primeira verdadeira prova do ano (ofensa à outras provas como Tour Down Under ou Volta ao Algarve). Eu não chego a tanto, considero somente como a primeira clássica do ano.

A Het é uma prova geralmente com mau tempo, estradas difíceis e ritmo forte. É o primeiro grande troféu de provas de 1 dia do calendário mundial. Não à toa, alguns dos melhores ciclistas estão preparados para competir nessa edição.

O atual campeão, Thor Hushovd está de volta, mas parece (e segundo suas declarações) que não está em tão boa forma quando 2009. As expectativas da Cervélo voltam-se então para Heinrich Haussler: suas táticas agressivas no Tour of Qatar mostram que ele é capaz de vencer essa prova.

A Liquigas vem com Daniele Bennati e Manuel Quinziato como peças-chave: Bennati já tem uma vitória essa temporada e Quinziato está se preparando para Flandres e Roubaix.

Quando se fala em clássicas belgas, sempre devemos considerar que algum favorito sairá da Quick-Step. Com três nomes fortes (Tom Boonen, Sylvain Chavanel e Stijn Devolder), a equipe tem chances de vencer em qualquer prova que envolva frio, barro, calçamento e muurs.

A Rabobank vem com Lars Boom e o veterano Nick Nuyens. As chances de Nuyens seriam uma fuga solo e Lars Boom, jovem e inexperiente, tem habilidades e fome de vencer.

O Team Sky é uma nova força para essa provas. Na Het vai apostar em Kurt-Asle-Arvensen (embora com uma recente fratura de clavícula seja uma incógnita). Então os olhos se voltam para “Boss Hog” (Edvald Boasson Hagen) que deve (teoricamente) ser capaz de suportar com facilidade o ritmo de prova, pois tem sido muito utilizado pela equipe britânica nesse início de temporada.

A Garmin vem com seu homem rápido Tyler Farrar tentando sua primeira vitória na temporada. Se não for ele, as chances da equipe estão com o recém-contratado Johan Vansummeren.

A HTC-Columbia vem para a prova com os líderes Bernhard Eisel que está em jejum (sempre se sai melhor como super-gregário) e Matty Goss.

Já a Katusha conta com as opções óbvias de Filippo Pozzato e Robbie McEwen: Pozzato já tem uma vitória no seu currículo e precisa de bons resultados, pois é considerado um dos favoritos para Flandres e Roubaix. McEwen é a alternativa no caso de uma chegada em sprint.

O Team Radioshack conta com Gert Steegmans para conduzir a equipe nessa prova: é bom no sprint e suporta razoavelmente bem os paralelepípedos. Na sua roda vem o veterano Thomas Vaitkus, outro troglodita bom para esse tipo de prova.

Team Saxo-Bank apresenta a ausência de Fabian Cancellara, mas isso não significa que não estão tentando a vitória. Seus especialistas são Matti Breschel, Baden Cooke e Stuart O’Grady.

A BMC vem para a Bélgica muito forte com Alessandro Ballan, George Hincapie, Karsten Kronn e Marcus Burghardt. Parece ser a segunda equipe mais forte, atrás apenas da Quick-Step.

Gentlemen, start your engines!

10 respostas para A abertura da temporada

  1. Chiko disse:

    A prova é dia 27 de fevereiro, acho que o Zaka apenas esqueceu disso!

  2. Leandro disse:

    O Murilo Fischer representará o país na prova.

    O Boonen vai quente pela vitória…

  3. Vou torcer para o Booonem
    bakana matéria, Zaka

  4. vigorelli disse:

    Sempre na torcida pelo Fischer!!! Viram a Ruta…não sabia que o nivel do ciclismo no Uruguai era tão forte…a lenha ta rolando mesmo…

    http://vigorelli.wordpress.com/

  5. Conrado Calvet disse:

    Eu acharia interessante um pódio fechado da Quick Step nessas provas, faz tempo que não acontece uma coisa dessa, ia ser bunito. Boonen, Devolder e Chavanel escapados depois de um desses murrs…

    Abraços
    Conrado

  6. Gabriel Sousa disse:

    Essa prova é 1 mini Tour da Flandres! Mini porque não tem tanto nome, mas em termos de dificuldade tá tudo lá!

  7. rodrigo fieira disse:

    my bad boss!!😉