Presidential Tour of Turkey – Etapa 5

Outra vitória do Gorila e a liderança da prova continua com o italiano da ISD Neri, Giovanni Visconti.

Nossos corredores dessa vez aparecem na classificação do Cyclingnews, inclusive os dois desclassificados, Nilceu e Robson.

1 André Greipel (Ger) Team HTC – Columbia 6:09:17  
2 Mattia Gavazzi (Ita) Colnago – CSF Inox    
3 Kenny Robert Van Hummel (Ned) Skil – Shimano    
4 Angelo Furlan (Ita) Lampre-Farnese Vini    
5 Vidal Celis Zabala (Spa) Footon-Servetto
25 Andrei Sartasov (Rus) Scott – Marcondes Cesar Sao Jose Dos Campos 0:00:03
57 Daniel Walter Rogelin (Bra) Scott  0:00:17
75 Jorge Giacinti (Arg) Scott  0:00:44
89 Francisco Chamorro Paiva (Arg) Scott  0:05:01
DNF Robson Ribeiro Dias (Bra) Scott     
DNF Nilceu Aparecido Santos (Bra) Scott

Anúncios

19 respostas para Presidential Tour of Turkey – Etapa 5

  1. márcio disse:

    Essa é a graça do ciclismo, pouco importa se a bicicleta é do último modelo ou algo que o valha, o que conta é o atleta. Talvez se fosse fórmula 1, a coisa poderia ser pior. Acho que os brasileiros estão no caminho certo.

  2. Augusto disse:

    Está no regulamento da UCI – “…predominância do homem sobre a máquina…”

    Excelente Filosofia!

  3. Renan Fischer disse:

    Impressionante…o Andrei está ce mostrando uma grande contratação da equipe para este ano. Tá certo que nas primeiras corridas na qual a Scott-Marcondes César participou, ele nao foi tão bem…mas agora parece ter encontrado uma boa forma fisíca!
    Parabens Andreeii!!
    Confesso que esperava mais do Giacinti!
    Eu tambem nao entendo o pq de nao levar escaladores como o Magno, em vez de optar por 3 sprinters!! Talvez pelo fato das voltas importantes como volta de SP e SC, que estão por vir!
    Mesmo assim parabens para equipe! Realmente a catraca gira de outra forma na Europa! hehehehe…
    Mas vamoo que vamooo..!

  4. Rafael Machado disse:

    O Paglia está lá ?! TODOS os brasileiros estão desclassificados Zaka?! :.(

  5. Juca disse:

    Creio que bem construtiiva a participação da Scott .
    Agora uma coisa eu digo :

    Deve ser chato fazer parte de uma equipe assim né ??? :

    http://www.cyclingnews.com/news/photos/inside-the-team-sky-service-course

  6. Will Barbosa Bike e etc. disse:

    muito chato
    principalmente com akele tanto de NUTELLA
    HAHAHAHAH
    abrax a todos

  7. Fernando Blanco disse:

    Acho que caberia uma análise + debate sobre a participação dos nossos amigos da Scott na prova turca. A enquete ao lado mostra que os votantes estão absolutamente divididos sobre a chance de sucesso da primeira equipe pro do ciclismo nacional.

    Minha visão: se considerarmos o baixíssimo nível das corridas locais (com volta no quarteirão) e do baixo nível de intercâmbio que temos, eles estão fazendo bonito.

    Mas se considerarmos que a citada prova é bem fraquinha no âmbito profissional e a classificação humilde que estão obtendo, eles não estão tendo lá muito sucesso não.

    A Scott vai vingar? Só o tempo vai dizer. O brasileiro é um bicho forte e valente, que se tiver apoio vai chegar lá. E a maioria dos nossos poucos compatriotas que competiram na Europa fizeram bonito.

    Força Scott!

  8. Fernando Blanco disse:

    Juca et al – em 1992 (18 longos anos atrás) eu tive a oportunidade única de acompanhar a Liège-Bastogne-Liège e a Flèche Wallone, na Bélgica.

    Eu tenho as fotos: os ônibus da então ONCE, PDM, Ariostea e tantas outras equipes daquela época eram idênticos ao da Sky – salvo, naturalmente, tudo que for digital, porque isto é novidade.

    Mas o jeitão de motor-home de F 1 já existia na Europa há…18 anos (ou mais, quem sabe). Aqui, a Caloi e a Pirelli – as ricaças da época – chegavam nas corridas de Kombi!! E nós, caboclos, achávamos o máximo!!

    Abraços

  9. (vandinho) G. de Oliveira disse:

    Na minha humilde opinião, qualquer experiência na europa é bem vinda. Eu não esperava que a scott fosse chegar lá e já ir colocando ciclista entre os 10 ou ficar entre as 5 melhores equipes como eu ouvi gente comentando.
    Salvo o Pagliarini, os demais só sabem o que é ciclismo europeu por revista, jornal e internet…
    Eu acredito que muito que as coisas estão encaminhando, devagar a gente chega num nível de excelência, como por exemplo da equipe ISD – Neri, que já tem muitas provas internacionais no seu curriculum, e torço mesmo de coração para que tudo que a scott esta fazendo não seja apenas fogo de palha e sim um trabalho continuo!

  10. RicardoPR disse:

    Onde sera que eles guardam a EPO??….rsssss

  11. goiabs disse:

    Na minha opinião, ou a coisa vai agora ou nunca mais. O alegado protagonismo do Brasil no cenário mundial precisa ser capitalizado pelos envolvidos com o ciclismo. Vai ser ‘cult’ ou de bom tom ter presença de brasileiros em alguns eventos esportivos internacionais. Tem muita gente/líder político querendo fazer média com o Brasil. No fim das contas, acredito que a Scott ainda tem MUITO para crescer, mas o caminho é esse, sem cobranças exageradas. Minha expectativa é que eles consigam se manter no pelotão e planejem contratações, sem deixar de desenvolver o talento nacional.

  12. Antonio Carlos Alves disse:

    Antigamente nós diziamos que estavamoscem anos atrazados se comparados ao ciclismo europeu.
    Nós tinhamos o elemento humano (brasileiro é uma mistura de raça) mas faltava tudo, bicicletas especiais, uniformes, conhecimento e principalomente provas.

    Mas evoluimos temos tudo e até voltas ciclisticas com pontuação na UCI e até uma equipe Continental.
    Eu acredito numa melhora do nosso ciclismo.

    Mas vamos ter que melhorar a equipe Scott isso temos,
    e na minha opinião a Scott devia contratar escaladores (bons)os colombianos estão aí. Enfim reforçar a equipe Scott.

    Nós temos que fazer bonito na Europa se quisermos aparecer mais como equipe.

    Individualmente já deixamos a nossa marca na Europa

    Wanderley Magalhães, Renan Ferraro, Jair Braga, Marcos Mazzaron, Gabriel Sabbião, Cássio Paiva, Mauro Ribeiro, Luciano Pagliarini e Murilo Fischer

    • Zaka disse:

      É verdade. Se não temos escaladores no Brasil (não temos???) então a equipe poderia contar com a experiência e as habilidades naturais de nossos vizinhos (penso que a equipe deve antes de contratar um europeu, buscar um venezuelano, colombiano…).

      Aquela informação de que a Scott montaria (ou montará) uma base na Europa também é importante. Se não estiverem nas mesmas provas dos PT, podem rodar ou treinar com os sujeitos.

  13. Renan Fischer disse:

    Bahhh…
    concertezaa Antonio..vc falou tudo agoraa! A equipe Scott precisa contratar (bons) escaladores!
    Ouvi dizer que estao negociando com o Rasmussen..embora eu ache que este ja deu o que tinha que dar, mesmo assim e um nome importante.
    A grande aposta da Scott e o Magno! So nao entendo pq ele nao foi relacionado na lista dos corredores da Scott para esse Tour da Turquia!

  14. (vandinho) G. de Oliveira disse:

    Zaka a Scott/Marcondes Cesar mesmo tem uma base muito boa, uma garotada que vem se destacando nas provas juvenis e juniores.
    Não seria legal pensar em formar escaladores também aqui no Brasil? claro sem descartar uma contratação imediata

  15. Renan Fischer disse:

    Concerteza Zaka..essa e uma proposta de extrema importancia. Uma base na europa seria mais um grande passo!
    Eu votaria na Italia, ja que o Paglia ja morava la! E tem uma legiao boa de corredores brasileiros.

  16. José Carlos SBC/SP disse:

    Vandinho, se a Scott/Marcondes tem uma boa base e uma molecada de talento, acho primordial contratar escaladores para não só melhorar o desempenho da equipe na Europa, mas dar experiência a esses jovens.
    Como disse o Antonio Carlos, antes reclamavamos que não tinhamos nada (equipamentos, equipes, oportunidades…..) e hoje temos tudo isso, vamos dar um tempo para a equipe, e depois cobramos, rssss
    Agora, quanto a treinamentos, infra estrutura de outras equipes, informações de outros ciclistas, só não tem informação quem não quer.
    Hoje existe essa tal da internet que não deixa ninguem desatualizado.

  17. fabio_bsb disse:

    A questão principal é a “peneira”. Temos poucos praticantes de ciclismo competitivo no Brasil. Aqui, as provas das categorias de base separam os “com condição” dos “sem condição”. Na Europa as mesmas provas separam os fora-de-série dos demais.
    Soma-se a perspectiva de futuro com o esporte.
    Dá para traçar um paralelo com o futebol. Aqui, bons atletas jovens estão ligados à clubes estruturados, e a procura por estas vagas é enorme.
    Se o mesmo ocorresse com o ciclismo teríamos bons atletas, não tenho dúvida, mas como vejo o esporte hoje, acho muito difícil.