Errar é humano. Insistir no erro eu chamo de burrice.

Cadel Evans errou em 2008: atacou muito cedo, praticamente durante todo o Mur ficou na frente. Quando restavam 150 metros foi ultrapassado. Até tentou uma resposta, mas era tarde a o gás havia acabado.

Hoje não. Ficou na marcação, manteve o ritmo apenas para não se distanciar e avançou no momento certo.

Na próxima vez ele poderia comemorar com um pouquinho mais de entusiasmo- vide Kirche (embora esse fato não desabone em nada sua vitória, mas tira um pouco da graça).