Flèche Wallone – Aprendendo com um erro

Errar é humano. Insistir no erro eu chamo de burrice.

Cadel Evans errou em 2008: atacou muito cedo, praticamente durante todo o Mur ficou na frente. Quando restavam 150 metros foi ultrapassado. Até tentou uma resposta, mas era tarde a o gás havia acabado.

Hoje não. Ficou na marcação, manteve o ritmo apenas para não se distanciar e avançou no momento certo.

Na próxima vez ele poderia comemorar com um pouquinho mais de entusiasmo- vide Kirche (embora esse fato não desabone em nada sua vitória, mas tira um pouco da graça).

10 respostas para Flèche Wallone – Aprendendo com um erro

  1. waldeir disse:

    E o contador espanou no fin rsss

  2. eu achei essa chegada tão sem graça! e a comemoração do Evans parecia aquela mulher do pânico na tv falando “ki boum!”. putz..

  3. Juca disse:

    O Evans é ” simprão de tudu ” …

  4. Leitzke disse:

    Espetacular a chegada! O Evans só precisa fazer um curso de comemoração em caso de vitória. Quem sabe o Zaka manda os links para ele estudar… he he he
    Sobre o pistoleiro, acho que foi muito bem. Ele não é especialista em provas de um dia. Se não tiver nenhum contratempo o pessoal vai ter de se puxar pra tirar o TDF dele.

  5. Facchini disse:

    Contador está indo em tudo, realmente a prova não tinha suas caracteristicas, mas como acabava em subida, ele tentou..
    Se tivesse mais inclinação acho que ele levava.
    Vamos ver na Liege agora como fica..

    • Zaka disse:

      Não vejo a questão da inclinação como fator que tenha prejudicado o Contador. O fato é que (unanimidade em todos os sites) ele atacou muito cedo, num ritmo muito alto. Penso que que ficou com medo de perder de novo para o Antón e quis ficar na sua roda. Enquanto isso os outros vinham num ritmo mais cadenciado e mais constante.

  6. Gabriel Sousa disse:

    Se a subida fosse mais longa o ataque do Contador poderia ser mais efectivo, mas numa subida curta e super inclinada (alguns trechos de 19%) fica mais difícil pro pistoleiro.

  7. José Carlos SBC/SP disse:

    Olhando os metros finais, o Evans teve que tirar uma certa distância e ainda teve pernas para atacar.
    O Contador pode ser o cara do momento, mas não é invencível, pior, comete erros. Esse TdF promete.

    • Zaka disse:

      Errou sim. Principalmente quando se apavorou ao ver o Antón indo embora. “Já perdi uma, não vou perder outra pra ele”. Ambos se deram mal.

      O HUY é traiçoeiro: normalmente quem sai na frente lá embaixo não acaba na frente.

      A nível de comparação: a inclinação máxima do Kapelmuur (poucos metros) é mantida em quase toda a extensão do HUY.

  8. André Vianna disse:

    Esses exemplos e comentários nos mostram que o ciclismo não é só força, tem muita estratégia/tática envolvida.
    Não é qualquer cabeça de bagre que ganha…
    Parabéns ao Cadel, foi preciso!