Revelações de Thomas Frei

Original no Cyclingnews:

http://www.cyclingnews.com/news/frei-explains-the-motivation-behind-his-doping

Alguns pontos interessantes e reveladores nessa entrevista de Thomas Frei:

– Teria continuado a se dopar caso não tivesse sido pego; a tentação para ganhar mais dinheiro é muito grande;
– Na Astana não usou métodos ilegais, era um peixe pequeno comparado aos demais corredores;

E o mais importante:

  • “Não sou uma vítima da equipe, foi minha decisão de começar com EPO”;
  • “Nunca recebi pressão dos chefes de equipe para dopar-me”;
  • “Nunca fui questionado pelos chefes como tornei-me tão rápido de repente”;
  • “Dos chefes só ouvimos: não queremos doping, mas na verdade querem dizer outra coisa”;

Assim, pelo menos no meu ponto de vista, começamos a acabar com aquele mito de que TODOS os dopados são coitadinhos e que só o fazem por exigência dos patrões.

Outro ponto sendo esclarecido: de que todos os patrões jogam duro contra o doping e os ciclistas dopados: pelo que eu entendi: não se dope, mas se resolver e começar a andar bem, pra mim tudo bem, desde que ninguém fique sabendo.

12 respostas para Revelações de Thomas Frei

  1. leonn disse:

    Esse suíço pelo menos assume o que faz. Não tem minha admiração, mas certamente tem meu respeito.

  2. Facchini disse:

    Resumo da ópera relação Equipe – Ciclista: não se dope, mas se resolver e começar a andar bem, pra mim tudo bem, desde que ninguém fique sabendo.

    Boa Zaka.

  3. vander disse:

    honesto, apesar dos pesares.

  4. Pedro (Barcellos Sports) disse:

    Ora pois!! É a lei do Capitalismo… não importa como irá ganhar, apenas ganhe!!!

    FU*** OF***

  5. André Tavares disse:

    Acho que a realidade é muito mais complexa que isto. Não acredito que todos tomem doping, isto seria nivelar por baixo.

  6. Fernando Blanco disse:

    Não tem santo, nunca teve. Terá um dia?
    O ciclismo é sub-estrato da sociedade, nem melhor nem pior. E a grana e a engrenagem capitalista tem tudo a ver com isso, como diz o Pedro (além da fraqueza humana…).

    Mudando de assunto (para um menos triste e irritante), descobri no link do jornal português abaixo que o português Manuel Zeferino foi campeão ibérico (Portugal + Espanha) dos Masters C. O cara veio ao Brasil no início dos anos 80 e deu show. Vi o cara ganhar uma corrida em Santos, num sprint sensacional, quando 4 portugas dominaram uns 30 caras da Calois + Pirelli unidos.

    Outra: a Milram ganhou uma!!! Vejam abaixo! Foi o Fabian Wegman no outrora famoso GP de Frankfurt, que chegou a fazer parte do lendário Super Prestige Pernod (parecido com o atual ProTour).

    http://www.cyclingnews.com/races/rund-um-den-finanzplatz-eschborn-frankfurt-1-hc/results

  7. Leandro disse:

    O cara foi honesto depois que foi pego.

    Na minha opinião, ele é um babaca igual aos outros.

    Se ele falasse antes, ai sim, ele seria honesto.

    O que ele falou é coerente e inteligente…e nada surpreendente.

    É um circo muito bem montado.

  8. Gabriel Sousa disse:

    Agora ele tenta limpar o que for possível do lado dele.
    Eu só não acredito que as equipas não tenham uma estrutura que apoie o doping.

  9. Ítalo disse:

    Na verdade, ele tenta limpar a barra dos patrões, que afinal são os Patrões! Precisa aliviar pro lado deles pra poder se empregar novamente um dia. Se ele F**desse com os patrões, aí ele tava desempregado mesmo pro resto da vida. É CLARO QUE A EQUIPE E O TÉCNICO SABE E INFLUENCIA, NÃO EM TODOS OS CASOS, MAS HÁ, ALÉM DA OMISSÃO, AÇÃO, SIM.

  10. Eduardo disse:

    Será que tem alguém na ponta do pelotão de elite que não usa nenhum tipo de doping, nem nunca usou na carreira até chegar lá? Será essa a realidade?

  11. Ivan-MS disse:

    Zaka, vc tá certo. Mas há uma pergunta que faço aos demais companheiros do Blog: por quê só o ciclismo???
    As demais modalidades, como o futebol, a natação e o atletismo, por exemplo, possuem controle tão ou mais rígido que o do ciclismo? Não têm dinheiro grosso de patrocinadores e muita cartolagem? Haverá em suas fileiras menos batoteiros que no ciclismo?
    Quem puder e souber, por favor, responda.

    • Zaka disse:

      Ivan, acho que é exatamente o dinheiro. Você imagina quanto é o prêmio de um Grand Slam??? Mais do que os prêmios todos do Tour, que é a prova que mais paga.