O Dia em que a Terra parou

20 de Junho de 2010, esse é o dia: Frank Schleck ganha uma prova por etapas de prestígio graças as suas habilidades como…. contrarrelogista!

Entre corredores que foram até a Suíça “apenas” para preparar o Tour e correr sem muito sacrifício e comprometimento, entre uma prova com reduzido número de montanhas (como tem sido nos últimos anos para beneficar Fabian Cancellara), Frank Schleck conseguiu ontem um resultado memorável.

Terminando uma prova contra ele mesmo a apenas 5 segundos de Lance Armstrong e a 22 de Kloden, conseguiu recuperar o tempo perdido para Rigoberto Urán (que acabou me decepcionando, terminando 42′ atrás do Schleck mais velho) e acabar em primeiro na geral.

Frank Schleck é um bom corredor. Diria que mais do que bom, é um sujeito acima da média, mas sempre, assim como o pequeno Schleck, faz feio na prova individual.

Fazia.

Há quem diga que Bobby Julich, ex-companheiro de equipe, tem treinado a técnica e a aerodinâmica dos irmãos para que eles não percam mais o tempo ganho nas montanhas. E cá pra nós: ser ruim no CR é sinônimo do lugar mais baixo do pódio.

Em vista dos resultados obtidos ontem, nota-se que algum tipo de avanço Frank conseguiu. Não vai ser campeão mundial, mas melhorou bastante.

10 respostas para O Dia em que a Terra parou

  1. Tá, Zaka. Ele melhorou, sim.

    Mas você não acha que os outros correram com o freio-de-mão muito puxado? Fiquei com essa impressão…

    P.S.: Se você concorda comigo e escreveu o post com o modo irônico ligado, desculpe. Não captei a mensagem…

    • Zaka disse:

      Nessa não foi tanto assim. Correram foi a abertura com o freio de mão puxado (com as duas mãos).
      Agora, compare o tempo dele não com o Armstrong ou Cancellara. Compare com o Rigoberto Urán, que já foi campeão sub-alguma-coisa de CR e era líder da prova.

  2. Viley disse:

    Gostei muito do resultado…
    sou fã dos irmãos shreck….

  3. ANDRE PORTUGAL disse:

    Zaka,

    Por favor, vc vai conseguir por um link para assistirmos o fim da última etapa e a classificação final?

    Valeu!

  4. Fernando Blanco disse:

    Sei lá, acho que estou sofrendo de “delírios da má forma alheia”. Já comentei antes sobre a forma “limitada” do Contado, no Dauphine, e agora repito a dose com relação ao Lance, no TdeS. Ficar em 11o lugar num CRI, há duas semanas do Tour? Eu sei que meio-mundo aqui acha que os caras se poupam… veremos a forma de verdade das estrelas do pelotão em muito breve.

  5. Juca disse:

    O pior desses caras no CR é o Gesink da Rabobank ;;; o cara é um pipoqueiro geral ! torço pro cara e ele decepciona no fim …

  6. Osmar disse:

    O que é melhor um grande CRI que se defende bem na montanha ou um grnde escalador que se defende no CRI?

    • Zaka disse:

      Depende da prova… se o Tour tem dezenas de km subindo e uns 40 de CR, um escalador vai levar vantagem. Já se a prova não tem tanta montanha ou não são tão duras e muitos kms de CR, vai inverter.

  7. Zeca Blak disse:

    Pô gente,
    Tá na cara que o Cancellara emprestou seu motor pro colega Frank. No km 12 dá pra ver ele apertando o botãozinho. Ehehehe!!!!

  8. osmar disse:

    Na verdade fiz essa pergunta em função da performance de Miguel Indurain. Era mais forte no CRI do que nas montanhas.